Ainda não se cadastrou na Apptite? Junte-se aos mais de 10.000 empreendedores que estão revolucionando o delivery. Sem taxas sufocantes ou custos fixos! Comece agora grátis!

Raw food – uma folga para o seu fogão

Também conhecida como dieta crudívora e, entre seus adeptos, como alimentação viva, a raw food (que, em tradução livre, significa “comida crua”) é um estilo de vida que se baseia na menor exposição possível dos alimentos ao calor.

É importante dizer que alguns alimentos dessa dieta não são consumidos totalmente crus – eles podem passar por um processo de aquecimento de até 42º a 50ºC e ainda serem considerados aptos a participarem dessa classificação. É o que conhecemos como ‘pré-cozimento“.

Por que comer os alimentos crus?

Os princípios desse estilo de alimentação são muito norteados por questões de saúde. Quem dá preferência ao consumo da comida in natura busca ingerir uma maior quantidade de nutrientes, já que muitos acabam se perdendo no processo de cozimento.

Por isso é essencial priorizar os alimentos orgânicos nessa dieta – dessa forma, é reduzida também a ingestão de agrotóxicos.

Outra vantagem obtida pelos alimentos crus é a maior facilidade de digestão pelo nosso organismo. Sabe aquela sensação de estufamento que surge depois de algumas refeições? O modo de preparo dos alimentos é o principal culpado, e não os próprios ingredientes, como a gente pensava.

Inclusive, nutricionistas e outros estudiosos da área afirmam que o corpo humano foi desenvolvido para consumir alimentos dessa forma, o que explicaria a melhor adaptação da digestão da comida crua (ou pré-cozida).

Quem está mais conectado às questões de sustentabilidade também encontra nesse movimento outras motivações. Os crudívoros defendem que é criada uma cadeia através da alimentação viva, que funcionaria da seguinte forma: o consumo de alimentos crus é benéfico à saúde, o que faz com que as pessoas tenham menos necessidade de consumir remédios, diminuindo a poluição do meio ambiente e, consequentemente, melhorando a fertilidade do solo. Interessante, né?

Quais são os principais alimentos consumidos na dieta raw food?

A primeiro momento, pode-se pensar que a raw food só envolve o consumo de saladas, mas não é bem assim. O principal objetivo é evitar alimentos industrializados e com componentes químicos.

Lembrando que o pré-cozimento de alguns alimentos é também considerado válido nessa dieta, ela apresenta mais formas de preparo das refeições, justamente para aguçar os sabores e também impulsionar a liberação do maior número possível de nutrientes.

Essas outras maneiras de preparo envolvem germinar, marinar, hidratar ou desidratar os itens antes de consumi-los.

Sabendo de tudo isso, vamos à lista dos mais consumidos pelos adeptos da raw food:

  • Raízes;

  • Frutas;

  • Verduras;

  • Legumes;

  • Cogumelos;

  • Algas;

  • Castanhas;

  • Sementes;

  • Brotos.

Fica bem evidente que a maioria dos alimentos tem origem vegetal, mas isso não é uma regra. Na verdade, a exclusão de proteínas animais dessa dieta é uma consequência, afinal, o consumo de carne crua não é muito comum.

Os cuidados e contraindicações do consumo da alimentação viva

Apesar de ser uma busca por hábitos mais saudáveis, a dieta crudívora requer atenção especial em alguns pontos. O principal deles é a preferência por alimentos orgânicos, para que o consumo de agrotóxicos não ocorra.

Afinal, ao mesmo tempo em que preserva os índices nutricionais dos alimentos, quando não se expõe a comida a altas temperaturas, pode ser mais difícil de eliminar os componentes químicos aplicados em seu cultivo.

Além disso, por não estarmos acostumados com esse tipo de consumo, é importante que a transição dos hábitos alimentares seja acompanhada de profissionais da área, que possam indicar os primeiros passos para que a mudança não seja sentida pelo organismo de maneira agressiva.

Pelo mesmo motivo, existem sim algumas pessoas que se encaixam no grupo de contraindicados para adentrarem no raw food. Essas são:

  • Grávidas;

  • Crianças;

  • Idosos;

  • Convalescentes;

  • Pessoas com doenças renais crônicas;

  • Pessoas com histórico de baixa imunidade.

Se você não integra nenhum dos grupos citados acima e ficou curioso(a) sobre esse estilo de alimentação, os pokes dos Chefs Apptite podem despertar o seu paladar para o consumo de alimentos crus.

Apesar de geralmente conterem proteína animal (crua!) e arroz, são uma maneira menos radical de iniciar ou ampliar o consumo dos alimentos crus. Além disso, temos opções vegetarianas, que se enquadram ainda mais na dieta!

Confira algumas opções:

  1. Poke Tropical Salmão, por Chef João Camacho (a base de arroz pode ser substituída por mix de salada)


Poke Tropical Salmão, por Chef João CamachoPoke Tropical Salmão, por Chef João Camacho

2. Poke, por Chef MIROMA | JAPENGO

Poke, por Chef MIROMA | JAPENGOPoke, por Chef MIROMA | JAPENGO

3. Poke Vegetariano, por Chef Gabriel Gaty

Poke Vegetariano, por Chef Gabriel GatyPoke Vegetariano, por Chef Gabriel Gaty

4. Poke Low Carb (peixe opcional), por Chef Zé do Vila Japaí

Poke Low Carb (peixe opcional), por Chef Zé do Vila JapaíPoke Low Carb (peixe opcional), por Chef Zé do Vila Japaí

Opções de sunomono e ceviche também podem servir de incentivo para o maior consumo de alimentos crus. Que tal provar algo diferente hoje?

Se você já é adepto dessa dieta ou já experimentou outros pratos preparados dessa forma, conta pra gente nos comentários! E pra ficar sempre por dentro das novidades que surgem no Apptite, é só acompanhar a gente nas redes sociais: Facebook | Instagram | LinkedIn.

Por aqui, todos os alimentos são produzidos com ingredientes orgânicos e de maneira artesanal! Então, se quiser comer um prato (cru ou cozido) preparado com muito amor, é só clicar aqui e escolher o seu sabor.