Ainda não se cadastrou na Apptite? Junte-se aos mais de 10.000 empreendedores que estão revolucionando o delivery. Sem taxas sufocantes ou custos fixos! Comece agora grátis!

Paladar infantil? Comida para criança também pode ser saudável!

Com a chegada do Dia das Crianças, é natural que a primeira coisa que passe pela nossa cabeça quando falamos de comida para criança sejam os chocolates, pirulitos, bolos, burgers, pizzas, batatinhas fritas e todas aquelas guloseimas que os pequenos tanto adoram. Mas sabemos que não é nada saudável fazer com que a dieta das crianças se baseie unicamente nesses alimentos, né?

Por isso, aqui nós vamos conversar sobre hábitos saudáveis desde a introdução alimentar e também como incluir alimentos nutritivos no prato das crianças a qualquer idade. Acredite: gerar o interesse dos seus filhos sobre novos alimentos como vegetais, por exemplo, pode ser mais fácil do que você pensa! Basta colocar a imaginação pra trabalhar. Continue lendo e veja algumas referências de como aplicar isso na prática.

Outra dica que pode ser muito valiosa durante esse (e vários outros) processo de adaptação a novos sabores é agir sempre com honestidade e lembrar que as crianças são muito espertas e têm sim a capacidade de compreender muita coisa. Por isso, explicar a importância de manter uma dieta balanceada é muito válido, pois ajuda o pequeno a criar uma consciência sobre tudo o que consome.

Quando oferecer cada tipo de alimento para as crianças?

Isso vai depender do método que os responsáveis escolherem para fazer a introdução alimentar. Mas uma coisa é certa: a partir do momento em que você considera que seu filho é capaz de consumir alimentos sólidos, já não é mais “cedo demais” para incluir frutas, legumes e verduras nos seus pratinhos (lembre-se de dar sempre preferência aos alimentos orgânicos). A variedade é de extrema importância nesse momento, pois é uma fase de descobertas e adaptações. E quando falamos de variedade, essa não é apenas a diversidade de alimentos, mas também de preparos. Alguns sabores podem ser muito mais agradáveis ao paladar do seu filho se forem consumidos cozidos, ao invés de crus – a cenoura é um bom exemplo para isso.

Mas apesar de ser muito importante naturalizar a alimentação saudável para os seus filhos, precisamos lembrar que isso também envolve o “não forçar”. Uma coisa é fazer várias tentativas, de formas diferentes e permitir que a criança dê mais de uma chance a cada sabor. Outra coisa bem diferente é obrigar o pequeno a comer um sabor que ele detesta! Isso pode desencadear uma relação nada saudável com esse e até outros alimentos no futuro – e é exatamente o contrário do que estamos buscando aqui, certo?

Se o sabor de algum alimento não agrada seu filho de jeito nenhum, o segredo é buscar equivalentes nutricionais, isto é, outros alimentos que possuem o mesmo – ou semelhante – valor nutricional, por mais que seus sabores sejam totalmente distintos. Alguns exemplos de equivalentes nutricionais são:

  •  Mamão = manga = abóbora = tomate = cenoura = caqui;

  • Batata inglesa = carne de peixe;

  • Brócolis = espinafre = couve manteiga;

  • Cebola = uva = alho poró = cebola roxa = aspargo;

  • Morango = mexerica = kiwi = abacaxi = maracujá;

  • Repolho = repolho roxo = rabanete;

  • Feijão carioca = lentilha = ervilha = vagem = grão de bico;

  • Couve = espinafre.

Não esqueça que a paciência é uma virtude muito exigida na criação de uma pessoinha!

Como gerar o interesse da criança para comida saudável?

Assim como já comentamos no conteúdo postado no Dia dos Pais (A influência do pai na introdução alimentar), o melhor caminho de naturalizar hábitos alimentares mais saudáveis é o exemplo. Não adianta querer inserir na criança uma cultura que não é praticada na sua casa. Mais uma vez precisamos manter em mente que as crianças têm uma grande percepção sobre o que acontece no seu entorno. Por isso, mostrar que os adultos (e mesmo outras crianças, como irmãos mais velhos ou primos) gostam de comer determinado alimento pode ser um gatilho bom para desencadear essa curiosidade.

O exemplo também pode ser atribuído a personagens fictícios que a criança admira. Em gerações anteriores, muitas crianças começaram a comer espinafre por causa do Popeye!

Se você zela por uma boa relação com seus filhos, isso também é mais fácil de se atingir desde a primeira infância: por isso, tenha conversas sinceras com as crianças e estimule o desenvolvimento do raciocínio delas, assim se tornará mais fácil fazê-las entenderem que o consumo de alimentos saudáveis é importante. Você pode desenvolver alguns combinados com a família, como por exemplo liberar os refrigerantes durante a refeição apenas aos fins de semana. Isso também ajuda na criação da disciplina, além de fazer com que os pequenos se sintam ouvidos.

Outra tática que pode ajudar bastante nesse período de introdução alimentar é o de desenvolver alguma dinâmica que faça com que a criança relacione o consumo dos alimentos saudáveis a um momento agradável. A forma de fazer isso vai depender muito da faixa etária e dos interesses pessoais de cada criança, mas dar apelidos fofos aos alimentos é um bom começo!

Não transforme a relação dos pequenos com a comida num fardo a ser carregado

Lembre-se: mais importante que fazer o seu filho comer todos os alimentos que você acredita que são essenciais para a saúde, é manter a relação com a comida, de forma geral, saudável. Os transtornos alimentares são extremamente prejudiciais e muitas vezes têm início na infância. Para evitar esse tipo de problema, esqueça a ideia de recompensar a criança por “limpar o prato”, por exemplo. É importante ensinar que o desperdício não é legal, mas fazer com que a criança coma mais do que o seu organismo precisa (ou mesmo aguenta) só para “dar essa lição” não é nada interessante, né? A ideia que isso gera no subconsciente deles pode se distorcer, por ainda não terem maturidade para desenvolver um raciocínio mais crítico sobre esse e outros assuntos. 

Onde encontrar comida para criança que seja saborosa e nutritiva?

No Apptite! Aqui, todos os nossos Chefs dão preferência aos ingredientes orgânicos e mais naturais possíveis, para manter o aspecto artesanal e muito saudável a cada prato. E se você pensa que comida por delivery não pode ser saudável, mude seus conceitos. Confira nossa categoria de Healthy Food e descubra a variedade que pode envolver uma dieta balanceada de verdade, assim fica mais fácil agradar o paladar da família toda! Se quiser encontrar pratos pensados especialmente para os pequenos, a categoria Baby & Kids Menu tem algumas especialidades já conhecidas dos nossos clientes, desenvolvidas em porções ideais para crianças e também algumas receitas únicas para os seus filhos se deliciarem com refeições nutritivas de verdade no dia a dia. Vale a pena explorar o app e dar uma atenção maior a essas duas categorias!

Agora conta pra gente, o que você achou deste conteúdo? Ele foi útil para te ajudar na missão de montar o cardápio dos seus pequenos? E a sua relação com a comida quando era criança, como foi? Em datas comemorativas, como o Dia das Crianças, qual é o sabor que te deixa nostálgico e te leva de volta pra infância? Deixe comentários aqui embaixo pra gente continuar esse papo de cozinha! Não deixe de conferir as nossas indicações para comprovar que comida para criança pode sim unir nutrição e sabor! Continue acompanhando nosso blog e siga também as nossas redes sociais, para ter acesso a conteúdos exclusivos e fazer parte da comunidade Apptite: Facebook | Instagram | LinkedIn.