Ainda não se cadastrou na Apptite? Junte-se aos mais de 10.000 empreendedores que estão revolucionando o delivery. Sem taxas sufocantes ou custos fixos! Comece agora grátis!

Outubro Rosa

Segundo os dados do Instituto Nacional do Câncer (INCA), o câncer de mama é o tipo de neoplasia mais comum entre as mulheres no Brasil.

Os riscos de desenvolver essa doença são altamente influenciados por fatores genéticos, mas calcula-se que 30% desses tumores podem ser evitados com hábitos de vida saudáveis, principalmente no que diz respeito à alimentação.

Como estamos no fim do mês de conscientização da prevenção e do diagnóstico precoce do câncer de mama e do câncer de colo do útero, o Outubro Rosa, o Apptite, que é o delivery de comida artesanal sem conservantes artificiais, traz algumas informações úteis para cuidar da saúde por meio da alimentação.

Alimentação e autocuidado

A sabedoria clássica nos diz: que nosso alimento seja nosso remédio e vice-versa. Há males que não podemos simplesmente tratar com uma mudança na alimentação, mas hábitos alimentares saudáveis, com a prática regular de atividades físicas, são ferramentas básicas e essenciais para a manutenção do bem-estar.

Ser saudável envolve diversos aspectos da vida, mas a alimentação talvez seja o principal, porque afeta o funcionamento do nosso organismo até na hora que dormimos. A alimentação é tão poderosa que, mesmo não sendo capaz de curar sempre, desempenha papel importantíssimo na prevenção de diversas doenças, entre elas alguns tipos de câncer.

Já é cientificamente comprovado que alimentos ultraprocessados (aqueles prontos para consumo ou para aquecer no microondas) são vilões de um corpo saudável, e que uma dieta rica em alimentos de origem vegetal (frutas, verduras, legumes, cereais integrais etc.) pode prevenir novos casos de câncer.

Além de fazer os exames regulares, como estratégia de prevenção (e demonstração de autocuidado), vale a pena incluir no cardápio alimentos ricos em substâncias que ajudam a manter nossa saúde em dia.

cores-dos-alimentos-860x485.jpg

Listamos a seguir alguns deles:

1. Frutas vermelhas

Frutas como amora, cranberry, cereja, framboesa e morango contêm antocianinas. Essas substâncias têm propriedades antioxidantes, ou seja, são capazes de combater os danos causados pelos radicais livres – moléculas que atacam o DNA das células e provocam erros que podem levar ao câncer de mama e a outros tipos de tumores.

2. Frutas e legumes amarelos e alaranjados

Alimentos como abóbora, batata-doce, cenoura, manga e mamão contêm betacaroteno, substância precursora da vitamina A. O betacaroteno também pode proteger o material genético das células contra o estresse oxidativo causado pelos radicais livres.

3. Frutas cítricas

A vitamina C, presente em frutas como abacaxi, acerola, maracujá, laranja, limão e tangerina, é um antioxidante poderoso.

4. Castanhas e outras oleaginosas

Amendoim, amêndoas, avelãs, castanha-de-caju, castanha-do-pará e nozes são fontes de vitamina E, que também apresenta ação antioxidante. Ela atua em conjunto com a vitamina C, aumentando ainda mais o combate aos danos causados pelos radicais livres.

Além disso, a castanha-do-pará se destaca por fornecer selênio, um mineral necessário para o bom funcionamento das defesas do organismo e para o controle do processo de divisão celular, que é especialmente importante para a prevenção do câncer.

Uma curiosidade sobre a castanha-do-pará: 1 unidade fornece aproximadamente 150% da necessidade diária recomendada de selênio! Poderosa né?!

5. Brócolis e outros vegetais de folhas verde-escuras

Agrião, brócolis, couve, couve-flor, espinafre, repolho e rúcula são conhecidos por seu alto teor de fibras, vitaminas e minerais. Além disso, esses alimentos oferecem substâncias que atuam especificamente na prevenção do câncer, como os glucosinolatos, que combatem o estresse oxidativo, e o sulforano, que previne a formação de células cancerosas.
O consumo de brócolis ou folhas escuras, associado ao consumo de vitamina C, potencializa ainda mais a absorção do ferro na dieta!

6. Soja e outras leguminosas

Leguminosas como ervilha, lentilha e grão-de-bico contêm isoflavonas, mas é a soja que tem o teor mais elevado dessas substâncias, pertencentes à classe dos fitoestrógenos.

As isoflavonas têm uma estrutura química semelhante à do estrogênio, um dos principais hormônios femininos. Por isso, elas conseguem se ligar aos receptores desse hormônio e “roubam” seu lugar.

Como alguns tipos de câncer de mama crescem ainda mais na presença de altos níveis de estrogênio, as isoflavonas da soja ajudam a combater seu desenvolvimento por bloquear a ação desse hormônio sobre os tumores.

7. Chia

Rica em fibras e proteínas a chia ajuda a reduzir a absorção de gordura e evita a formação de substâncias tóxicas no intestino. Essa semente também contém ômega-3, um ácido graxo com propriedades anti-inflamatórias e antioxidantes.

8. Linhaça

Rica em fibras, proteínas e ômega-3, a linhaça contém lignana, uma substância que atua diretamente nas células cancerosas. Se trata de um fitoestrógeno, assim como a isoflavona da soja, e evita que tumores de mama sejam “alimentados” pelo excesso de estrogênio.

Imunidade e saúde

Em tempos de pandemia, enquanto ainda não temos vacina, vale caprichar nos cuidados com alimentação para manter a imunidade fortalecida.

Os alimentos são o combustível para o nosso corpo funcionar bem e realizar as atividades do dia a dia. Por esse motivo é tão importante selecionar o que ingerimos.

Para quem está lutando contra o câncer, a alimentação saudável pode ser um recurso a mais para o sucesso do tratamento. Alguns efeitos colaterais podem ser suavizados com alimentos estratégicos, de acordo com estudos divulgados pelo INCA.

É recomendado fazer cerca de 5 refeições no dia, ou seja, comer alguma coisa de 3 em 3 horas; comer devagar e mastigar bem os alimentos, melhorando assim a saciedade e a motilidade intestinal; beber 2 litros de água por dia; reduzir o consumo de sal, gorduras, frituras, embutidos, temperos prontos e leite integral; e evitar bebidas alcoólicas.

Dicas da Nutri

A nutricionista Caroline Vilares indica que a maior parte da nossa alimentação seja composta por ingredientes minimamente processados. O melhor é sempre consumir alimentos in natura e ficar ligado em dicas de profissionais da saúde.

  • Beba água! Dispense sucos industrializados, bebidas lácteas com excesso de açúcar refinado e refrigerantes.

  • Coma mais frutas, preferencialmente orgânicas e com casca (fonte rica de fibras).

  • Fique atento aos rótulos! Veja se a sua escolha tem muitos ingredientes desconhecidos. Escolha sempre opções com menos conservantes.
    A lista de ingredientes está organizada em ordem crescente.Então, se você escolher um produto que tem como o primeiro ingrediente AÇÚCAR, isso significa que esse é o ingrediente predominante.

  • Opte por sobremesas caseiras: descasque mais, desembale menos. Doces feitos em casa têm validade mais curta que os industrializados, e por isso são mais frescos e não têm conservantes artificiais.
    Congele frutas, faça smothies e sorvetes com frutas vermelhas, por exemplo, acrescente água de coco ou suco natural da fruta – uma ótima opção para os dias mais quentes.

  • Prefira a comida feita na hora. Se estiver sem opções, conta com o Apptite para entregar sempre um prato fresquinho onde você estiver!

    Quer saber mais?

    Confira o Guia alimentar para a população brasileira, elaborado pelo Ministério da Saúde.

    Mitos e verdades sobre alimentação, no site do Instituto Nacional de Câncer (INCA) https://www.inca.gov.br/mitos-e-verdades/alimentacao

    Campanha “Se dê um tempo por você e pra você”: https://sedeumtempo.com.br/